Calvície - Classificação

O tratamento da alopecia androgenética masculina depende do grau da calvície.

Em geral, a calvície se inicia pelas entradas, com um afinamento dos fios de cabelo e por fim com a queda progressiva destes e a substituição por fios cada vez mais finos até chegar a uma fina penugem (Norwood grau II).

As laterais da cabeça na região das entradas também são freqüentemente atingidas. Depois, as "entradas" tendem a se fundir logo atrás do "topete", deixando uma "ilha" de cabelo (Norwood graus III, IV e V).

Com o avanço das entradas, uma rarefação e afinamento na coroa começam a ser percebidos e por fim, ocorre uma fusão das entradas com a coroa (Norwood IV a VII).

Alguns pacientes apresentam uma calvície que se inicia pela "coroa" (Norwood III vértex) e somente depois atinge as entradas. Outros, ao invés das clássicas "entradas", apresentam um recuo total uniforme da linha anterior do cabelo, e "aumentando" a testa progressivamente (Norwood IIa, IIIa, IVa e Va).

Somente depois atinge a coroa. Outros podem apresentar uma calvície de início mais difuso, atingindo o topo da cabeça e poupando a linha da frente, como geralmente ocorre na calvície feminina.

Graus da Calvície

Tipo 1
Descrição

Com discreta acentuação das entradas, e sem áreas de rarefação. O transplante neste caso é contra-indicado e o tratamento clínico é indicado se necessário.

Tipo 2
Descrição

Com entradas mais acentuadas, início de rarefação. O tratamento clínico é necessário para retardar a evolução e o transplante só não é indicado se o paciente for muito jovem ou com histórico genético de calvícies extensas.

Tipo 2 - A
Descrição

Testa alta com ausência ou rarefação frontal. É muito importante o histórico familiar e prognóstico. Tratamento clínico e transplante indicados.

Tipo 3
Descrição

Entradas bem acentuadas e/ou testa alta. Geralmente apresenta rarefação atrás, nas entradas e coroa, podendo haver rarefação difusa. Tratamento clínico necessário e transplante indicado.

Tipo 3 - A
Descrição

Entradas bem acentuadas e/ou testa alta. Geralmente apresenta rarefação atrás, nas entradas e coroa, podendo haver rarefação difusa. Tratamento clínico necessário e transplante indicado.

Tipo 4
Descrição

Acentuação importante das entradas e aumento da área de rarefação da coroa. Transplante indicado para diminuição das entradas e adensamento de áreas de rarefação.

Tipo 4 - A
Descrição

Calvície ou rarefação ultrapassando a linha média. Tratamento clínico indicado em ambos os casos para retardar a evolução da calvície e indicação para transplante.

Tipo 5
Descrição

Estágio avançado. Área central que separa a fronte da coroa começa a ficar rarefeita criando uma "ponte" entre as duas regiões. Área de rarefação da coroa maior.

Tipo 5 - A
Descrição

Rarefação difusa, porém com bandas laterais não alargadas e coroa não muito baixa. Apresenta ainda boa área doadora. O transplante é indicado em grandes proporções juntamente com o tratamento clínico.

Tipo 6
Descrição

Área calva aumenta com alargamento das bandas laterais e descida da coroa. Apesar de apresentar uma boa área doadora para o transplante, a mesma pode apresentar diminuição de densidade. Tratamento clínico indicado se ainda houver cabelo residual.

Tipo 7
Descrição

Grau mais elevado de calvície. O transplante ainda é possível mas a área doadora apresenta baixa densidade e é preciso otimizar as áreas tratadas.

Saiba como são realizadas as cirurgias de transplante capilar